Olena Zelenska, a Primeira – Dama da Ucrânia, poderemos considerá-la como símbolo de talento, patriotismo, beleza, sucesso, simplicidade e coragem. Mundialmente, é uma Mulher influente, embora muito discreta.

Nasceu em 6 de fevereiro de 1978 na cidade de Kryvyi Rih, na Ucrânia. A sua religião é o Cristianismo.

Completou o ensino médio na sua cidade, seguindo, depois para a Faculdade de Arquitetura, altura em que conheceu Volodymyr Zelensky que frequentava a Faculdade de Direito.

Um longo namoro de oito anos fortaleceu os laços de amor que os unem.

Outra paixão os uniu! A representação.

Olena Zelenska desenvolveu as suas capacidades como escritora de comédia e o seu amado, Volodymyr Zelensky, interpretou esses personagens, tornando-se um ator cómico de grande prestígio, antes de concorrer à Presidência da Ucrânia, em 2019.

Em 6 de setembro de 2003, uniram as suas vidas, tendo dois filhos, Oleksandra nascida em 2004 e Kyrylo em 2013.

O destino, muitas vezes, revela grandes surpresas.

Em 2015/ 2018, Volodymyr Zelensky interpretou um personagem, numa comédia escrita por Olena Zelenska, “Servant of the people” em que um homem comum acordou, um certo dia, como Presidente da Ucrânia.

servant

Em 2019, Volodymyr Zelensky concorre à Presidência da Ucrânia e ganha as eleições, governando de acordo com os ideais do personagem que interpretara na comédia.

Assim se tornaram o casal mais jovem, na Presidência do seu país.

Grande missão os aguardava!

Olena Zelenska receou muito o percurso político do marido, mas não se poderia opôr à sua escolha. Ela continuou sendo escritora e educadora dos filhos. Mas algo muito maior estava a surgir na sua vida e era urgente ser protagonista de outas ações como defender a segurança das mulheres, a saúde das crianças e a proteção dos deficientes.

Em 24 fevereiro de 2022, a sua estabilidade emocional foi tremendamente abalada, e foi nesse momento que a Mulher que se tornou a Primeira – Dama da Ucrânia mostrou, a todo o mundo, a sua coragem, enquanto as bombas caíam sobre a sua terra.

Enquanto o inimigo procurava desvirtuar a imagem do Presidente Ucraniano, Olena Zelenska, nas redes sociais partilhava imagens de soldados reais, homens e mulheres prontos para defender a sua Pátria.

O seu nome ficará na História associado aos horrores violentos ocorridos nesta guerra que não tem um fim à vista.

Palavras que traduzem o sentir e a determinação de uma grande Mulher ficarão para sempre na memória de tantas outras mulheres que viveram esses momentos:

“ Hoje não terei pânico, nem lágrimas. Estarei calma e confiante. Os meus filhos estão olhando para mim. Estarei ao lado deles, ao lado do meu marido e consigo.”

Um exemplo de coragem e determinação que tem sido estímulo para que todas as mulheres Ucranianas vejam nela um exemplo a seguir, uma defensora dos seus direitos, uma voz amiga e sincera.

Apesar de saber que, tanto o marido como ela e os filhos seriam alvos a abater pelo invasor, não abandonou o seu país. Mais ainda, tem sido a voz do seu amado Presidente em todo o mundo democrático, onde tem sido acarinhada e aplaudida, defendendo a Liberdade da Ucrânia!

Muitas das suas frases, que todo o mundo ouviu e soube compreender, revelam quanto sofrimento uma Mulher e Mãe pode sentir debaixo de uma guerra:

“ Não tivemos filhos para escondê-los em caves, dos mísseis russos. Queremos que eles vivam. Assumir esta realidade, entender que temos que viver, apesar de tudo, deixa-nos ainda mais desesperados. Mas temos que fazer alguma coisa. Não fazer nada seria muito pior.”

Viveu meses longe do marido, regressando, depois, à capital do seu País.

Mesmo assim, declarou:

“Ainda estamos separados, porque o meu marido mora onde trabalha e vemo-nos poucas vezes. Os meus filhos querem ver o pai, abraçá-lo”.

Na sua simplicidade de esposa e mãe, contou uma conversa com o filho:

“ Ontem, o meu filho perguntou-me quando acaba a guerra para que possamos jantar ou dormir juntos, para assistirmos a um filme ou ler um livro.”

familia

E, na sua sabedoria e capacidade extraordinária para lidar com uma situação tão difícil, acrescentou:

“ Temos que superar tudo isto para que a saúde mental de uma criança não seja afetada.”

Para ela, o marido não é o “presidente” nem uma “estrela da televisão ucraniana”.

Sempre o viu como “um amigo, um companheiro, um marido para toda a vida e um pai dos seus filhos.”

Tudo o que sonhou e desejou viver a seu lado, foi alcançado. Talvez, mais ainda, porque assim descreve, Volodymyr Zelensky:

“Ele cumpriu todas as minhas expectativas: ser o melhor pai para os meus filhos. Ele é a pessoa que nunca me falhou, nunca duvidei dele!”

Na Ucrânia, a primeira-dama não tem um cargo ou funções oficiais. As responsabilidades são dela para criar ou não. Ela começou com uma iniciativa para melhorar a nutrição das crianças nas escolas e com a sua Fundação irá ajudar muitos jovens a concretizar sonhos, a superar os danos da guerra, pois não lhe faltarão apoios internacionais para que os seus desejos se tornem realidades e levem um pouco de conforto a quem já tanto sofreu com uma guerra injusta, sem sentido.

No seu mandato como primeira-dama, Olena Zelenska tem feito discursos empolgantes sobre os direitos das mulheres, pressionou para que haja melhores infraestruturas para pessoas com deficiência, trabalhou nos esforços paraolímpicos da Ucrânia e defendeu a educação STEM para meninas. Desde o início, ela escolheu usar roupas de estilistas ucranianos com a maior frequência possível, para mostrar seu talento ao mundo.

Olena Zelenska aproveita todas as oportunidades que lhe são dadas para exultar o seu povo, a quem pede que continue a lutar:

“Nós somos o exército, o exército somos nós. E as crianças que nasceram em bunkers vão viver em paz num país que se defendeu a si próprio”.

Noutra publicação partilhou uma imagem de uma mulher fardada com as cores do exército, lembrando que a Ucrânia tem mais dois milhões de mulheres do que homens, sendo que muitas delas se juntaram às forças armadas para ajudar no combate aos russos:

“Admiro-vos tanto, minhas incríveis compatriotas”-  disse, estendendo os elogios a todos os que continuam a operar nos serviços essenciais.

“Estou orgulhosa de viver convosco no mesmo país.”

Que mais se pode exigir de uma Mulher, assim?

Graça Foles Amiguinho

Graça Foles Amiguinho

Colaboradora Portuguesa

“Son Maria de Graça Foles Amiguinho Barros. Vivo en Vila nova de Gaia, pero nascín no Alentejo, nunha aldeia pequena chamada A Flor do Alto Alentejo.

Estudei en Elva. Fiz maxisterio en Portoalegre. Minha vida foi adicada ao ensino durante 32 anos, aos meus alumnos ensineilles a amar as letras, o país, as artes e a cultura. 

Meu começo coa poesia aconteceu de xeito dramático cando partin os dous braços, en 2004 comecei a escribir poesia compulsivamente, en 2005 xa tiña o primero libro editado  O meu sentir…”

A guerra do pao

máis artigos

♥♥♥ síguenos ♥♥♥